quinta-feira, 21 de junho de 2012

Muros de papel






Com dias programados, se desprogramou de grandes expectativas. Não atendia aos telefonemas do inesperado. Se tornou estrada com placas demarcando limites. Quando sentimentos desavisados resolviam fazer "canturia" nas janelas do seu coração, de imediato passava a tranca no sótão dos sonhos e dormia embalada pelo silêncio da noite. Mesmo com todo esse cuidado, em um piscar de olhos foi sequestrada por um sorriso, sua armadura queimada por palavras docemente firmes. Bastou um pequeno gesto e todos os muros, toda a segurança havia caído. Se tornou uma sem teto, com pés descalços, sorriso fácil, refém nos braços da poesia.


Renata Fagundes








20 comentários:

  1. Poetas moram nos papéis da história que escrevem e vivem. Que seja feliz sempre.

    Beijo e uma linda vida!

    ResponderExcluir
  2. Sentimentos desavisados são os melhores..
    Estava com saudades daqui Rê ;3

    ResponderExcluir
  3. Olá.

    Gostei do texto... gostei dos "pequenos gestos" que podem ser pequenos em tamanho, porém enormemente grandes em importância e significado.

    Parabéns pela bela postagem e um bom dia.

    ;D

    ResponderExcluir
  4. Sempre inspiradora vc manda linda ^^
    beijos ****

    ResponderExcluir
  5. Assim como o blog, suas palavras cintilam. E bailam.
    Que saudade de vir aqui, Rê!
    bjo grande!

    ResponderExcluir
  6. Há momentos que nem a armadura mais forte do mundo protege o coraçao da gente, o amor encontra caminhos.
    Adorei o blog1 Tao lindo...

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. "refém nos braços da poesia."
    Como sempre sensacional Renata,lindo demais esse teu jeito de escrever.
    abraço,=)

    ResponderExcluir
  8. Isso mostro que por mais que a gente se prevenir de vários sentimentos, não dá, sempre vai ter alguém para derrubar todas as barreiras.

    ResponderExcluir
  9. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Percebi que sempre tive muros de papel e com o passar do tempo ficaram mais fortes e viraram de concreto. Talvez não seja mais possível derrubá-lo e sim fazer pequenos furos. Mas, adorei as palavras e a forma como foram ditas.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  11. Olá.

    Que bela Poesia.
    Gosto do jeito que escreves... livre, leve e solta!
    Meus parabéns e uma boa tarde.

    ;D

    ResponderExcluir
  12. Se for pra ser refém da poesia, então ta tudo certo!!

    Um beijo Re, bom fds!!

    ResponderExcluir
  13. Gostei do seu blog!
    Das palavras e das fotos e gravuras!
    Qdo puder, me visite!
    RITA
    www.olharesedetalhes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Rê!
    Tem um selinho pra você no meu blog, bem aqui: http://layannerezende.blogspot.com.br/2012/07/selo-adoravel-vicio.html
    Espero que goste!
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  15. Lindo, como sempre!

    Refém da poesia... refém do amor.

    Saudades, dona querida!

    Te abraço forte!

    ResponderExcluir
  16. Adoro toda a ternura e a ousadia de tuas palavras...
    è o blog que eu recomendo as minhas amigas... cujas frases eu alegro o dia de alguém!
    Abraço com carinho querida Rê!

    Poliana Fonteles

    ResponderExcluir
  17. Viajando em tua terna poesia. Pegando carona em teus versos... Vale mto a pena!

    bjo de luz
    L.L.

    ResponderExcluir

Quero espremer suas idéias

Deixe seu sumo

Bjo da Rê