quinta-feira, 22 de março de 2012

Descrevendo a paz








O espelho tem desfocado minha imagem, vejo uma pluma branca pairando no ar sem conseguir alcançar o chão. Em dias de chuva sou cheiro de terra molhada, barro moldado por mãos infantis, como se tivesse recuperado a inocência perdida e reinventado travessuras. Talvez tenha alcançado um grau de leveza que transcende o físico - acho que virei matéria microscópica, impossível de se ver a olhos nus, devo estar perdida na via láctea, ou quem sabe apenas me descuidei da gravidade. O sol escaldante não consegue queimar minha pele, estou vestida de vento e minha alma assovia descalça.



Renata Fagundes










16 comentários:

  1. esse jeito meigo de escrever me encanta! dá vontade de ler, reler, ler de denovo...mais engraçado é que a cada leitura parece q encontro um pouquinho de mim em suas palavras...

    bjss

    ResponderExcluir
  2. Nossa,maravilhoso Rê!
    Coisa boa poder ser leveza,poder flutuar dentro de si e ser feliz com isso!
    Abração e um final de semana de infinita luz,=)

    ResponderExcluir
  3. Ual, que texto perfeito, sua escrita é simplesmente maravilhosa, acho que quase voei a cada palavra lida! estou seguindo e voltarei sempre!
    http://fazdecontatxt.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Tem um selinho pra você no meu blog: http://alineibarra.blogspot.com.br/2012/03/selinho.html

    Beijo! ^^!

    ResponderExcluir
  5. Bom é ser leve sem deixar de ser profundo.
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  6. Ainda, por esses dias, discutia e refletia sobre a "Insustentável Leveza do Ser", de Milan Kundera. Não porque eu queira, mas ultimamente boa parte do que leio me fornece subsídios para continuar essa reflexão.

    Eis o Ser não inocente por não poder ferir, mas por não saber o que é ferir, sem saber o que é bom ou mal simplesmente por que tais conceitos são demasiado "humanos" (e incompreensíveis) para se manifestar. O conceito de bem e mal é a raiz do próprio preconceito em que se baseia a noção de pecado.

    Se o Mundo fosse baseado na dualidade serve-não serve ou natural-antinatural, talvez a Vida fosse bem menos complicada de entender.

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Renata. Amei a docilidade presente no seu texto, simplesmente senti cada palavra e quando terminei de ler fiquei com uma sensação boa aqui dentro.

    http://osonhodeumaflauta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Renata

    Vim retribuir sua visita e carinho no meu blog. Já conheço seus textos e simplesmente acho perfeitos, vem da alma, toca o meu interior como música. Muito obrigada por ter a honra de ter vc como seguidora do meu blog. Estou seguindo vc, tb...Sucesso sempre e que a paz faça morada na sua alma, seja qual momento estiver vivendo. beijos, semana próspera para você e sua família.

    ResponderExcluir
  9. Seu texto, quando li, me trouxe aquela sensação de paz..=)

    ResponderExcluir
  10. "vejo uma pluma branca pairando no ar sem conseguir alcançar o chão."

    Lindo...

    ResponderExcluir
  11. ... não demore ;)

    A descrição final... o assovio... que belo!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  12. Olá.

    Que belo texto!!!!
    Meus parabéns... gostei muitão.

    Boa noite.

    ;D

    ResponderExcluir
  13. Q lindeza é estar aqui.
    Saudades Rê.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  14. Nooossaa.. seu blog ta lindo de mass!!!
    Me encantei com todos os textos da Rê! Beijoss vou vim aqui muito mas vezez. Te seguindo!!!

    ResponderExcluir
  15. Excelente blog! Só a título de curiosidade há um agregador de conteúdos chamado TPM Links - Tudo para mulheres, super bacana, uma ótima forma de divulgar seu site.
    http://www.tpmlinks.com.br/

    ResponderExcluir

Quero espremer suas idéias

Deixe seu sumo

Bjo da Rê